Saúde

Por que um ataque cardíaco ou angina se manifesta como dor no braço esquerdo ou no peito?

Por que um ataque cardíaco ou angina se manifesta como dor no braço esquerdo ou no peito?
Escrito por Gilvan Alves

O ataque cardíaco ou angina é um caso de dor referida, em que a dor é sentida em um local diferente do local da lesão. Isso acontece devido a uma confusão de sinais de dor no cérebro.

Todos nós já vimos personagens em filmes sofrendo um ataque cardíaco ou angina, e eles geralmente experimentam inicialmente como dor no braço esquerdo ou no lado esquerdo do peito. Você já pensou por que um problema no coração de alguém causaria dor no braço? Por que não acontece a mesma coisa quando você tem dor de cabeça?

Sênior, Homem, Com, Grave, Dor, Em, Dele, Esquerda, Braço

As pessoas costumam sentir dor no braço esquerdo no caso de ataque cardíaco ou angina (Crédito da foto: Giideon/Shutterstock)

Nunca ouvimos alguém dizer que uma dor repentina na perna direita é na verdade por causa da enxaqueca, então por que isso acontece em alguns casos e não em outros? Vamos descobrir!

O mecanismo de percepção da dor

A dor é simplesmente um sentimento que se origina de um estímulo externo que nos é prejudicial. Podemos perceber a dor porque os tecidos, músculos e articulações do nosso corpo têm as terminações de certos neurônios sensoriais embutidos neles.

Enquanto a “cauda” ou terminação repousa em diferentes partes do nosso corpo, a “cabeça” dos neurônios fica reunida em aglomerados embutidos em nossa medula espinhal. Em cada porção de nossa longa medula espinhal estão as informações coletadas dessas “caudas” que terminam em diferentes tecidos próximos a esse nível.

Por exemplo, uma parte da medula espinhal coletará informações de várias partes superiores do corpo, como peito, braços e órgãos internos próximos.

Receptores nocivos e de dor na pele e nas vias nervosas para o cérebro, através da medula espinhal e do tálamo (Blamb)S

Os receptores de dor em nosso corpo primeiro transmitem informações à medula espinhal; a partir daí, ele viaja para o nosso cérebro (Crédito da foto: Blamb / Shutterstock)

Essas terminações nervosas servem como ‘receptores’ que detectam estímulos nocivos externos de origem mecânica, térmica ou química e são denominados “nociceptores” . Um martelo batendo em sua mão é um estímulo mecânico, mas a chama de uma vela perto de sua mão é um estímulo térmico.

Desta forma, nosso corpo pode detectar uma variedade de estímulos nocivos com os quais entra em contato externamente. Nossos órgãos viscerais também são inervados por esses nociceptores, que detectam estímulos mecânicos, térmicos e químicos prejudiciais que ocorrem internamente.

Uma vez que o estímulo que causa a dor atinge os nociceptores, eles enviam essa informação para uma porção específica da medula espinhal. A partir daqui, a informação viaja para o nosso cérebro, o que resulta em percebermos conscientemente essa dor.

Dor referida – um caso curioso de confusão de sinais

Depois de ler isso, o mecanismo pelo qual nosso corpo sente a dor parece muito organizado e metodológico para permitir que qualquer erro ocorra. No entanto, essa mesma organização e mecanismo é a razão pela qual a angina do coração é sentida no braço esquerdo. Esse curioso fenômeno, onde a dor proveniente de um órgão visceral, como o coração, é erroneamente percebida como proveniente de outras partes externas do corpo, como um braço, é chamado de “dor referida”.

Vamos relembrar como as informações dos nociceptores em partes do corpo localizadas próximas umas das outras são transportadas para a mesma porção da medula espinhal. Digamos que o nociceptor A inerva o coração, enquanto um nociceptor diferente B inerva o braço esquerdo próximo, e outro chamado nociceptor C inerva o lado esquerdo do peito. A, B e C coletam informações e convergem para um único neurônio D de ordem superior na medula espinhal.

Agora, quando D carrega informações da medula espinhal para o nosso cérebro, ela apenas recebe uma entrada informando que a dor vem de D, mas não é capaz de distinguir entre A, B ou C.

Portanto, nosso cérebro é incapaz de dizer a diferença entre a dor no órgão interno e a pele próxima. Se tomarmos o exemplo de uma angina, o cérebro não pode dizer se a dor vem do coração ou do braço esquerdo ou do peito, pois o mesmo neurônio lida com tudo isso e relata de acordo com o cérebro.

Assim, podemos dizer que a dor referida resulta de uma genuína confusão de sinais de dor em nosso cérebro, pois ele interpreta as informações recebidas de nosso corpo!

Nervo,Caminhos,De,O,Peito,E,Braço,Comparado,Para,Nervo

A dor percebida no braço esquerdo, coração e partes do estômago são transmitidas ao cérebro pelo mesmo neurônio de ordem superior em uma porção específica da medula espinhal (Crédito da foto: Blamb/Shutterstock)

A dor referida é exclusiva da angina ou de um ataque cardíaco?

A dor referida é mais familiar para as pessoas na forma de ataque cardíaco, mas esse fenômeno também ocorre em outros órgãos internos do corpo. Uma lesão no baço ou no estômago pode ser percebida como dor na omoplata ou na parte superior das costas. Da mesma forma, uma lesão no rim, cólon ou medula espinhal é sentida como se originando da parte inferior das costas ou dos membros inferiores do corpo.

Curiosamente, também há casos em que ocorre o inverso – a dor no corpo é sentida como se viesse de um órgão interno. O ‘congelamento do cérebro’ sentido quando comemos apressadamente nosso sorvete favorito é um excelente exemplo disso. Neste caso, sentimos a dor como se estivesse vindo do nosso cérebro, enquanto o local de origem real da dor é a nossa boca!

Um,Asiático,Menino,Experiências,Cérebro,Congelar,Devido,Para,Gelo,Creme

Um congelamento do cérebro também é um exemplo de dor referida (Crédito da foto: Happy cake Happy cafe/Shutterstock)

Infelizmente, ter conhecimento consciente do fenômeno da dor referida não pode alterar nossa percepção sobre ela. Isso ocorre porque a dor referida decorre de informações no nível da medula espinhal, das quais não temos consciência. Somente quando essa informação chega ao cérebro é que nos tornamos conscientes dela.

Conclusão

A dor referida é um fenômeno estranho em que sentimos dor em uma parte do nosso corpo, mesmo que o local original da lesão esteja em outro lugar. Este é um fenômeno muito comum que pode estar subjacente tanto a um problema médico sério, como um ataque cardíaco, quanto a um “congelamento cerebral” inofensivo.

Compreender o mecanismo da dor referida tem várias implicações na ciência médica, nomeadamente identificar doenças graves a partir de sintomas aparentemente desconexos que experimentamos.

O fenômeno da dor referida é um exemplo genuíno de uma confusão de sinais pelo cérebro humano. Mesmo o pedaço de tecido mais complexo do mundo – o cérebro humano – é propenso a erros. Errar é realmente humano.

 
 

Sobre o autor

Gilvan Alves

25 Anos de idade, Técnico em Rede de Computadores, Sempre em busca de aprender algo novo todos os Dias!

Deixe um comentário