Aprenda algo novo todos os Dias

Por que alguns idiomas são mais difíceis de aprender do que outros?

As línguas do mundo podem ser classificadas em famílias com base em sua evolução. A ‘distância linguística’ denota quão semelhante uma língua é a outra. A proximidade de uma língua com a língua nativa determina a dificuldade de aprendê-la.

Existem cerca de 6500 línguas que ainda são faladas neste mundo. Entre estes, poucos deles são falados por um número significativamente maior de pessoas do que outros. Isso muitas vezes torna necessário aprender os idiomas mais populares para se comunicar globalmente. Inglês e chinês são exemplos comuns de tais idiomas.

Jovem,Mulher,E,Homem,In,Fones de ouvido,Aprendizagem,Diferentes,Idiomas,Comunicação

Existem cerca de 6500 idiomas no mundo, dos quais alguns são mais amplamente utilizados do que outros (Crédito da foto: pathdoc/Shutterstock)

Mas, muitas vezes, há obstáculos para aprender essas línguas. Pessoas de diferentes países relatam dificuldades variadas em aprendê-las. Por exemplo, alguém da Europa acharia mais fácil aprender inglês, em comparação com o chinês. Da mesma forma, para alguém do Japão, aprender chinês seria relativamente fácil, comparado ao inglês. Por que este é o caso? Quais são os fatores que afetam a dificuldade de aprender uma língua?

Linguagem ‘árvores’

Para entender por que as línguas diferem em dificuldade, primeiro precisamos tentar entender suas semelhanças e diferenças. Um linguista alemão, August Schleicher, foi o primeiro a fazer isso na década de 1850, usando diagramas em forma de árvore que traçam as origens de cada idioma.

Árvore genealógica das línguas indo-europeias

Um exemplo demonstrando uma árvore de idiomas (Crédito da foto: EnriBrahimaj/Wikimedia commons)

Os linguistas que o sucederam continuaram esse trabalho e estudaram a evolução das línguas do mundo e as organizaram em ‘árvores’ que mapeiam sua história e relacionamentos. Nesse método, as línguas evolutivamente mais próximas e com o mesmo ancestral são agrupadas em uma família.

Veja Também...  A história e os princípios das placas tectônicas

Por exemplo, a família indo-europeia inclui línguas da Europa e partes da região indiana e iraniana. Dentre estas, as línguas européias estão evolutivamente mais próximas umas das outras e formam um subgrupo, enquanto as línguas indígenas formam outro grupo. Com base nisso, percebe-se que o francês e o espanhol têm mais em comum entre si. Isso torna mais fácil para um falante nativo de francês aprender espanhol, em comparação com um parente evolutivamente mais distante, como o hindi.

É interessante notar que essa classificação tem pouco a ver com geografia. Enquanto as línguas faladas na metade norte da Índia se enquadram na família indo-européia, outras faladas na região sul se enquadram em uma família distinta ‘dravidiana’. Isso torna difícil para um falante nativo de uma língua do norte da Índia, como o hindi, aprender uma língua do sul da Índia, como o tâmil.

Isso explica por que uma pessoa pode ter mais facilidade em aprender um idioma do que outro.

Distância linguística

A teoria das ‘árvores linguísticas’ é útil para entender a dificuldade relativa de aprender uma língua em detrimento de outra para o mesmo indivíduo. Agora, vejamos outro fenômeno interessante onde ocorre o inverso – diferentes indivíduos relatam diferentes dificuldades para aprender a mesma língua.

A dificuldade variada de aprender o mesmo idioma recebeu destaque devido à imigração de não falantes de inglês para países de língua inglesa. Os linguistas notaram que os imigrantes com diferentes línguas nativas variavam em sua capacidade de aprender inglês. Eles propuseram que isso pode ser porque as línguas nativas desses imigrantes variavam em semelhança em relação ao inglês, conforme a hipótese da ‘árvore da linguagem’.

Eles criaram uma medida chamada ‘distância linguística’ denotando o grau de similaridade de uma língua em relação a outra. Eles fizeram isso estudando a dificuldade de aprender diferentes idiomas em relação à população americana de língua inglesa.

Veja Também...  10 dicas de como passar na prova prática do Detran

Curiosamente, eles notaram que a proficiência dos imigrantes em inglês estava correlacionada com a ‘distância linguística’ de sua língua nativa em relação ao inglês. Isso significava que essa medida era válida de forma recíproca! Portanto, se um falante nativo de chinês tem dificuldade em aprender inglês, um falante nativo de inglês enfrenta o mesmo nível de dificuldade em aprender chinês.

Diversidade,,Imigração,,Amizade,E,Pessoas,Conceito,-,Internacional,Grupo,De

A distância linguística ajudou a explicar a variada proficiência em inglês na população imigrante (Crédito da foto: Syda Productions/Shutterstock)

Desde então, a distância linguística foi adaptada para entender o aprendizado de segundas línguas além do inglês, como para estudar a aquisição de línguas europeias entre pessoas com diferentes línguas nativas.

Outros fatores que afetam o aprendizado de idiomas

Além da distância linguística, existem vários outros fatores que decidem a dificuldade com que se aprende uma língua. Isso inclui, por exemplo, a capacidade de captar os sons do novo idioma, ou sua ‘fonologia’. Essa habilidade determina o quão ‘nativo’ alguém soa ao falar um idioma. Isso também parece ser significativamente influenciado pela idade do aluno no início da aprendizagem.

Geralmente somos melhores em adquirir sotaques “nativos” quando os aprendemos em uma idade jovem. Isso ocorre porque nossa percepção dos sons de uma língua tem um ‘período crítico’ após o qual se torna significativamente menos eficiente.

Mulher,Coloque,Ela,Mão,Para,Ela,Orelha,,Em,Qual,O

Nossa capacidade de perceber e aprender sons de uma língua estrangeira tem um período crítico (Crédito da foto: STEKLO/Shutterstock)

É por isso que as crianças são melhores em soar como ‘nativos’ do que os adultos depois de passar a mesma quantidade de tempo em um novo país após a imigração e apesar de compartilhar a mesma língua nativa. Devido a isso, é mais fácil para os adultos que já passaram do período crítico aprenderem idiomas que não exigem o aprendizado de novos sons.

Veja Também...  15 fatos que você não sabia sobre "O Rei Leão"

Além disso, as línguas também diferem na ordem das palavras e nas regras gramaticais, como o uso de gênero, etc. No entanto, o fator mais significativo que influencia o aprendizado de uma segunda língua parece ser a distância linguística.

Conclusão

As línguas do mundo são diversas, mas com base na evolução linguística, podem ser classificadas em famílias organizadas em uma árvore linguística. Uma medida chamada ‘distância linguística’ denota o quão longe a língua A está da língua B com base em sua localização nesta ‘árvore linguística’. Essa medida decide o quão próximo ou semelhante um idioma é de outro.

A proximidade de uma língua com a língua nativa determina a dificuldade em aprendê-la. Isso ocorre porque nossos cérebros definem novas experiências com base em experiências anteriores. Assim, nossa língua nativa molda nosso aprendizado de língua estrangeira ou segunda.

Resumindo, seria uma boa ideia pesquisar sua língua nativa na ‘árvore de línguas’ antes de decidir qual língua estrangeira você quer aprender. Da próxima vez que você tiver dificuldade em lembrar todas as regras da gramática em francês, culpe sua língua materna!

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.