Aprenda algo novo todos os Dias

Como são feitos os medicamentos?

Os medicamentos podem ser produzidos pela síntese de substâncias químicas com potenciais efeitos terapêuticos ou pela extração de substâncias químicas farmacologicamente ativas da natureza.

Houve um tempo em que os humanos caíram como moscas para doenças como cólera e malária. Felizmente, graças à ciência, agora temos um arsenal impressionante de medicamentos para combater as inúmeras doenças que assolam nossa espécie.

Foram necessárias muitas décadas e carreiras de pesquisa e desenvolvimento, um investimento significativo de recursos e uma enorme quantidade de talento brilhante e sorte para fazê-los. Eu, por exemplo, acredito que o esforço valeu a pena. É a fabricação e extração de remédios que nos dá o luxo de viver nossas vidas sem o medo de doenças que uma vez dizimaram nossos ancestrais.

Então, como exatamente essas drogas – as pílulas e cápsulas, suspensões e xaropes, géis e cremes, injetáveis ​​e inaláveis ​​– realmente são feitas? E talvez mais importante, quão caro é produzi-los?

Primeiro, vamos começar com o básico.

O que são medicamentos?

Medicamentos são substâncias que são utilizadas para tratar ou prevenir doenças e aliviar seus sintomas. Eles podem ser sintetizados quimicamente em laboratórios ou obtidos a partir de recursos naturais disponíveis, como plantas e minerais.

Analgésicos como a aspirina são produzidos quimicamente, enquanto os antibióticos como a penicilina são extraídos da espécie fúngica Penicillium chrysogenum . Os antibióticos também podem ser extraídos de bactérias; por exemplo, a estreptomicina vem de Streptomyces griseus .

Todos esses compostos especiais, sintetizados ou extraídos, são referidos como o ingrediente farmacêutico ativo do medicamento. Cada medicamento tem um composto único (ou combinação de compostos) que atinge o efeito curativo ou preventivo desejado.

Veja Também...  Quantos Cães Existem No Mundo?

Quando um medicamento entra no corpo, os ingredientes ativos dos medicamentos interagem com componentes bioquímicos em nosso corpo para atingir o efeito pretendido no local ou órgão conhecido como “alvo da droga”.

pílulas, remédio, cápsula, comprimido

Em 2019, o tamanho do mercado mundial de fabricação farmacêutica foi estimado em US$ 324,42 bilhões!

Desenvolvimento de drogas

O caminho químico

Produtos químicos, orgânicos ou inorgânicos, são misturados e, após uma série de reações químicas complexas, obtemos medicamentos que possuem propriedades farmacológicas únicas.

Essas reações químicas ocorrem em gigantescos tanques de reação e são aquecidas ou resfriadas, após o que são misturadas de maneira controlada. Após a conclusão da reação, os produtos químicos restantes são fervidos aquecendo excessivamente a mistura. O produto restante da reação é resfriado até a formação de uma substância pulverulenta ou cristalina.

É essa substância em pó ou cristalina que contém o ingrediente farmacêutico ativo que é levado para o próximo estágio – formulação do medicamento.

Na formulação de medicamentos, o ingrediente ativo é misturado com água e agentes ligantes em um grande misturador para formar o composto medicinal. Com base no método de entrega escolhido, esta mistura é seca e comprimida em comprimidos, processada em creme ou gel ou engarrafada em frascos de injeção.

fluxo do processo de fabricação de tablets

Um fluxograma simples para mostrar como os medicamentos em comprimidos são feitos.

Se você estiver interessado em um passo a passo visual do processo de fabricação de medicamentos, a AstraZeneca tem um vídeo informativo sobre a fabricação de medicamentos.

 

A maneira natural

Olhando para trás na história, a descoberta de drogas resultou principalmente de plantas. Os antigos egípcios usavam o ópio como analgésico, os indianos usavam nim para saúde bucal e dental, e a cúrcuma era famosa por suas propriedades antissépticas e antibióticas.

Veja Também...  A história das luzes de Natal

Ainda hoje, a natureza inspira a descoberta e o desenvolvimento de medicamentos.

Em vez de usar toda a fonte, buscamos e isolamos esse ingrediente farmacêutico ativo da planta, microrganismo, animal ou mineral, extraímos e depois embalamos em produtos farmacêuticos.

 

medicina alternativa-herbal_t20_nobwl4

Segundo a OMS, 3,5 bilhões de pessoas dependem de produtos naturais para cuidados medicinais. (Crédito da foto: vinte20)

Fabricação de produtos farmacêuticos

Vejamos como a penicilina é feita como exemplo. A penicilina é um antibiótico derivado de um fungo que tem a capacidade de fazer a penicilina codificada em seu DNA. Esse pedaço específico de DNA é cortado e inserido no DNA de uma bactéria comumente disponível e de baixa manutenção, como a E.coli (encontrada em nosso cocô). As bactérias são então cultivadas, ou seja, cultivadas a granel, dentro de um tanque de reação. Uma vez que começam a produzir a penicilina, ela é extraída da cultura e depois filtrada, purificada e embalada em comprimidos.

Outro exemplo de terapia feita em laboratório é a insulina artificial — o hormônio usado para baixar o açúcar no sangue em diabéticos.

A quinina da planta Cinchona officinalis é um exemplo de medicamento derivado de plantas. A quinina é um medicamento que trata a malária. Você pode ter ouvido falar de sua forma mais avançada – hidroxicloroquina.

A casca desta planta é esmagada e seca completamente antes de ser pulverizada. A quinina é então extraída do pó da casca seca e purificada.

casca de carvalho seco

A casca seca de Cinchona officinalis – comumente conhecida como casca peruana. (Crédito da foto: envato)

Uma palavra final

A descoberta de medicamentos não é fácil nem barata! Os pesquisadores passam anos ou até décadas criando produtos químicos com a esperança de que uma molécula entre centenas possa acabar sendo uma cura. Agora, também recebemos uma ajudinha dos computadores, que criam modelos de novas drogas que possuem estruturas que facilitam a ligação da droga ao seu alvo. Chamamos isso de “Desenho de Medicamentos Auxiliado por Computador”, ou CADD para abreviar.

Veja Também...  Conheça as Teias alimentares

Pesquisas pioneiras sugerem tecnologias novas e aprimoradas que ajudarão a impulsionar ainda mais o setor de síntese de drogas químicas. Quem sabe, talvez a IA simplesmente assuma todo o processo de desenvolvimento de medicamentos no futuro e facilite a vida de todos nós.

Mesmo com tanto dinheiro e esforço, ainda há uma grande chance de que as drogas não funcionem como deveriam ou como pretendemos. De fato, atualmente há uma taxa de falha de 90% no desenvolvimento de medicamentos. Felizmente, veremos um declínio significativo nessa porcentagem nas próximas décadas.

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.