A música afeta o cérebro?

A música afeta o cérebro de várias maneiras. Aumenta as habilidades motoras e cognitivas. Reduz a dor, o estresse e melhora a neurogênese.

A história dos humanos e da música é bastante antiga. Uma esguia flauta de osso juntando poeira em uma caverna da Europa central remonta aos primeiros colonos no continente há cerca de 40.000 anos. Do carnyx alto e assustador usado para deter os invasores romanos às listas de reprodução calmantes do Spotify que ouvimos em nossas viagens, a música evoluiu e se inspirou de inúmeras maneiras ao longo dos séculos. No entanto, a questão permanece: a música tem o poder de impactar o cérebro?

Flauta da Idade do Gelo esculpida no osso da asa de um abutre, datada de cerca de 35.000 anos atrás com orifícios para os dedos cuidadosamente feitos (mountainpix) s

Flauta óssea remonta à Idade do Gelo (Crédito da foto: mountainpix / Shutterstock)

Música para o Alma Cérebro

Os cientistas demonstraram que a música afeta várias partes do cérebro. O córtex motor e o cerebelo ajudam a coordenar seus movimentos de dança com a batida mais recente. Além disso, você pode culpar a amígdala e o nucleus accumbens ao soluçar enquanto ouve ‘Perfect’ de Ed Sheeran. No entanto, esses efeitos são apenas o começo.

Música e Memória

A música também pode melhorar a memória! Você já lutou com tabelas matemáticas, mas consegue cantar ‘Bad Romance’ durante o sono? (Você não está sozinho). Por muito tempo, a conexão entre música e memória tem sido um tópico muito debatido, mas pesquisadores descobriram recentemente que o processamento da linguagem e da música depende de uma via neural comum.

Evidências científicas sugerem que a exposição à música na adolescência tem um impacto emocional maior do que a música ouvida na idade adulta. Os resultados deste estudo estão sendo usados ​​como uma forma de terapia para aqueles que têm a doença de Alzheimer. Música e memória lírica estão sendo usadas para resgatar memórias perdidas desses pacientes. Isso ocorre porque a música pode aumentar a produção de neurônios no hipocampo (o centro de memória do cérebro), melhorando assim a memória.

sistema límbico (Designua) s

O hipocampo é responsável pela memória e navegação (Crédito da foto: Designua / Shutterstock)

Música e QI

Tem havido várias alegações de que ouvir música clássica pode aumentar a capacidade cognitiva, mas é verdade?

O ‘ efeito Mozart ‘ continua sendo um dos efeitos mais divulgados da música na mente. Pesquisadores da UC Irvine exploraram se ouvir música influenciava o desempenho cognitivo, especialmente o raciocínio espaço-temporal. Os estudantes universitários foram divididos em 3 grupos e submetidos a um teste de QI padrão. Um grupo ouviu Mozart, outro ouviu algumas melodias relaxantes e o último não ouviu nada. Os ouvintes clássicos produziram pontuações mais altas nos testes. Quando a música clássica foi comparada da mesma forma com diferentes gêneros, a primeira ainda produziu melhores resultados.

Mas como isso acontece?

Os pesquisadores especulam que a música facilita a estimulação dos neurônios no hemisfério direito do cérebro. Essa metade do cérebro é responsável por funções superiores. Conseqüentemente, ele ‘aquece’ esses neurônios, permitindo que funcionem com mais eficiência, permitindo um processamento mais rápido das informações. No entanto, esse fenômeno é de curta duração. Para um impacto mais duradouro, estudos indicam que se deve aprender a tocar um instrumento. Aumenta a capacidade do cérebro de dominar as atividades relativas à memória, atenção e habilidades de linguagem.

A metade direita do cérebro é estimulada pela música

Música e exercícios

Você já se perguntou se as horas que passou fazendo uma ‘lista de reprodução de treino’ para si mesmo foram realmente úteis?

Mulher jovem treino em ginásio estilo de vida saudável (Friends Stock) s

A música estimula os treinos (Crédito da foto: Friends Stock / Shutterstock)

A resposta é sim! A música alta e rítmica não apenas aumenta os níveis de adrenalina no corpo, mas também libera endorfinas no cérebro. As endorfinas aumentam a sensação de excitação e reduzem o estresse. Além disso, ouvir música demonstrou anular os sinais de fadiga e consegue distrair o cérebro. Isso é benéfico para exercícios de intensidade baixa a moderada. No entanto, nem mesmo a música pode distrair nosso cérebro da tortura dos exercícios de alta intensidade.

Música e Stress

Com um aumento acentuado nas aplicações de redução do estresse baseadas na música, não há dúvida de que a música reduz o estresse e a ansiedade, além de melhorar a qualidade do sono. Música relaxante reduz os níveis de noradrenalina (uma substância química de vigilância), ajudando você a cochilar em paz. Estudos indicam que a música em torno de 60 bpm pode ser sincronizada com ondas cerebrais alfa, que são proeminentes quando em estado de relaxamento e consciência.

Um estudo com 80 pacientes de cirurgia urológica sob raquianestesia revelou que a música pode reduzir a necessidade de sedação IV auxiliar. Os pacientes neste estudo puderam monitorar a quantidade de sedativo que receberam durante a cirurgia. Os pacientes que foram selecionados aleatoriamente para ouvir música necessitaram de menos sedativos do que aqueles que ouviram ruído branco ou a própria vibração e barulho da sala de cirurgia. Conseqüentemente, a música ajudou os pacientes a lidar com o estresse e a ansiedade que geralmente acompanham as cirurgias.

Terapia musical

Finalmente, há evidências de que a música ajuda a curar mais rápido. Em um estudo realizado em um hospital austríaco, observou-se que pacientes em recuperação de cirurgias nas costas apresentaram recuperação mais rápida e redução da dor quando seu processo de reabilitação incluiu musicoterapia. A música liga o sistema nervoso autônomo, que controla a função cerebral e a pressão arterial, ao sistema límbico, que supervisiona os sentimentos e emoções. Essa conexão pode ajudar a lidar com a dor associada a lesões.

A resposta do corpo segue o exemplo quando uma música lenta é tocada – o batimento cardíaco fica lento e a pressão arterial diminui. A respiração relaxa, ajudando a aliviar a tensão na coluna, braços, costas e estômago. Ouvir música lenta ou suave diariamente ajuda nosso corpo a se descontrair, causando menos dor e uma recuperação mais rápida. Este método é utilizado na reabilitação de pacientes que sofrem de doença de Parkinson e derrames.

Jovem enfermeira sorridente cuidando do homem sênior com fone de ouvido (Budimir Jevtic) s

A musicoterapia ganhou credibilidade entre os médicos (Crédito da foto: Budimir Jevtic / Shutterstock)

Então, parece que o Dr. Dre pode ser classificado como um médico certificado, afinal! Em uma nota mais séria, talvez haja uma razão pela qual o deus grego Apolo é adorado nos campos da música e da medicina. É fascinante que a música possa ter o poder de mudar literalmente nossas vidas. Nas palavras de Friedrich Nietzsche, “Sem música, a vida seria um erro”.

Referências:

  1. Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences Journal
  2. Neuropsychologia Journal
  3. Jornal da Royal Society of Medicine
  4. Jornal Acta Medica Lituanica
  5. Anesth Analg Journal
  6. Plos One Journal
  7. Universidade de Nevada
  8. Harvard Health

Deixe um comentário