O Que São Hieróglifos?

Hieróglifos egípcios eram o sistema de escrita usado no Egito antigo. Os hieróglifos egípcios são um dos primeiros sistemas de escrita do mundo, com as primeiras exposições que datam do quarto milênio no início da Idade do Bronze. Embora o sistema de escrita seja sinônimo da era dos faraós, ele antecede esse período da história egípcia por vários séculos. A introdução dos hieróglifos foi uma das características da civilização humana, cujo uso (entre outros sistemas de escrita antigos) levou a humanidade da era pré-histórica à história escrita. Os hieróglifos desfrutaram de uso difundido no Egito por séculos até o sistema de escrita desaparecer completamente no século V, desencadeado pela proibição de templos pagãos no Egito pelo imperador Teodósio I. O sistema de escrita permaneceu um mistério por muitos séculos depois, até que fosse precisamente decifrado por Jean-François Champollion em 1822, com assistência da então recém-descoberta Rosetta Stone. Os hieróglifos são categorizados em três tipos distintos de glifos; determinantes, fonética e logógrafos. Hieróglifos egípcios (1.070 caracteres) são reconhecidos sob o Padrão Unicode, após serem adicionados ao padrão em 2009.

Começos

O Egito antigo testemunhou muitos avanços na cultura e na tecnologia durante a era Naqada III, datada entre os séculos 33 e 31 aC. Muitos historiadores concordam que a era Naqada III foi a época em que a origem dos hieróglifos como forma de comunicação escrita foi usada. As versões mais antigas dos hieróglifos no Egito Antigo datam dessa época. No entanto, poucas exibições hieroglíficas são anteriores à era Naqada III, algumas remontando ao século 41 aC durante a era gerziana. Esses exemplos antigos são conhecidos como proto-hieróglifos. Além da introdução de hieróglifos, a era Naqada III também viu os primeiros cemitérios reais do Egito Antigo, a primeira aplicação documentada da arte serekh e, sem dúvida, o primeiro sistema de irrigação do mundo. O sistema de escrita dos hieróglifos no Egito foi ele próprio predicado por um sistema de escrita anterior da Mesopotâmia, conhecido como escrita suméria. Alguns estudiosos até acreditam que o roteiro sumério inspirou a origem dos hieróglifos. Tais alegações são apoiadas pela proximidade do Egito Antigo à Mesopotâmia suméria, com as duas civilizações antigas possivelmente envolvidas no comércio. Na Segunda Dinastia, o uso de hieróglifos havia se espalhado por todo o Egito, com a primeira sentença completa escrita no script, datada desse período.

Evolução

Os hieróglifos continuaram sendo usados ​​no Egito antigo por séculos depois de serem introduzidos na era Naqada III, e evoluíram gradualmente, tornando-se mais simplificados à medida que seu uso se espalhava no reino. Estima-se que 800 hieróglifos estavam em uso, nos anos entre o Antigo Reino do Antigo Egito e o Novo Reino. O período tardio viu o surgimento de outros sistemas relacionados à escrita de glifos; glifos hieráticos e demóticos, cuja simplicidade os agradava aos egípcios, que já haviam passado a escrever sobre papiros. O uso de hieróglifos no Egito persistiu mesmo durante a era greco-romana, quando o número de hieróglifos subiu para 5.000.

Declínio

Os primeiros gregos e romanos acreditavam que os hieróglifos tinham significado religioso e, portanto, pensavam que entender o significado dos escritos daria um conhecimento místico e mágico. Em 391, durante o reinado do imperador romano Teodósio I sobre o Egito, todos os locais de culto não-cristãos no Egito foram fechados, uma diretiva que sinalizava o fim do uso monumental dos hieróglifos.

Tentativas de decodificação histórica

A última escrita hieroglífica autêntica documentada é datada de 394, conhecida como “Graffito de Esmet-Akhom”. Nessa época, até os egípcios nativos tinham pouco conhecimento na leitura de hieróglifos. No entanto, um livro do século V conhecido como “Hieroglyphica”, escrito por Horapollo, um padre, é um especialista em decifrar os hieróglifos egípcios antigos. O livro teve um impressionante grau de precisão na interpretação de cerca de 200 símbolos hieroglíficos. Outras tentativas posteriores de decifrar hieróglifos foram testemunhadas nos séculos IX e X pelos estudiosos árabes Ibn Wahshiyya e Dhul-Nun al-Misri. No século XVII, linguistas e historiadores da Europa também ficaram imersos na tarefa assustadora. Athanasius Kircher, creditado por inspirar a ascensão da egiptologia, publicou sua famosa “Lingua Aegyptiaca Restituta” em 1643, em que ele fez uma análise detalhada do sistema de escrita. Apesar do crescente interesse de estudiosos de todo o mundo, a decifração precisa dos hieróglifos provou ser uma tarefa quase impossível, até que uma descoberta foi feita em 1799.

A pedra rosetta

A Pedra de Roseta é uma grande rocha granodiorita atualmente exibida no Museu Britânico, que leva a inscrição de um decreto real, escrito em três sistemas de escrita diferentes; Hieróglifos egípcios, escrita demótica e escrita grega antiga. A exposição atual pesa 1.680 libras e é apenas um pedaço da Pedra de Roseta original. A Pedra de Roseta apresenta o decreto de Memphis, escrito em 196 AEC, sob as instruções do rei Ptolomeu V, da dinastia ptolomaica. Enquanto a estela foi descoberta na cidade de Rosetta pelas tropas francesas em julho de 1799, os historiadores acreditam que a pedra estava originalmente domiciliada em um templo perto de Sais. Acredita-se que a estela tenha sido removida do templo no século XV e usada na construção de uma fortaleza no local onde seria mais tarde redescoberta. A Rosetta Stone não é a única nem a mais antiga estela trilíngue, pois foram descobertas estelas multilíngues mais antigas e melhor preservadas logo depois disso. Os egiptólogos usaram essas estelas mais antigas para obter uma representação completa dos fragmentos ausentes da Pedra de Roseta. No entanto, a descoberta da Pedra de Roseta no final do século 18 foi mais instrumental na decifração dos hieróglifos egípcios e deu aos estudiosos uma melhor visão da cultura egípcia antiga. Antes da descoberta, a interpretação dos hieróglifos era, em grande parte, vaga e imprecisa. Os estudiosos confiavam muito no texto grego inferior da estela para decodificar as outras línguas, como a língua grega antiga lhes era conhecida. Não obstante,

Sistemas de Escrita Relacionados

Os hieróglifos egípcios são freqüentemente considerados o ancestral de todos os alfabetos usados ​​na comunicação moderna, pois inspiraram o estabelecimento do alfabeto original, a partir do qual o alfabeto latino foi formado. Os hieróglifos produziram o sistema de escrita demótica e os hieróglifos cursivos, ambos populares durante o período faraônico do antigo Egito.

Deixe um comentário