Aprenda algo novo todos os Dias

Os Primeiros Países a Legalizar o Casamento Gay

Datada pelo reconhecimento nacional completo em todo o país, os holandeses foram pioneiros no reconhecimento da era moderna dos casamentos entre pessoas do mesmo sexo.

Para alguns, o casamento entre pessoas do mesmo sexo é considerado imoral, enquanto para outros é visto como um direito básico, ou mesmo dado por Deus. Independentemente da posição de alguém, não se pode argumentar que, para os casais do mesmo sexo vivendo nos países listados abaixo, eles devem ter considerado a legislação de suas respectivas nações permitindo que eles se casassem, e esses casamentos sejam plenamente reconhecidos ser nada menos do que uma vitória pessoal e nacional.

10. Argentina (julho de 2010)

Em julho de 2010,Argentina tornou-se o primeiro país latino-americano a legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo, atribuindo aos homossexuais argentinos os mesmos direitos matrimoniais que os heterossexuais do país. Um longo e desgastante debate nacional precedeu a decisão, com o Senado finalmente votando de 33 a 27 a favor da lei. Um dos principais proponentes dos casamentos entre pessoas do mesmo sexo foi a presidente do país, Cristina Fernández de Kirchner, que lutou constantemente pelo reconhecimento dos direitos dos homossexuais, embora contra a vontade da Igreja Católica Romana. A Igreja assumiu uma atitude extremamente amarga em relação a essa decisão e realizou protestos em massa em todo o país para impedir a mudança. Contudo, O sucesso do Presidente e seus defensores aliados em apoio aos casamentos entre pessoas do mesmo sexo na Argentina revela a disposição crescente do país de se posicionar contra as medidas rígidas da Igreja. Isto apesar de não haver separação clara entre a igreja e o estado neste país.

9. Islândia (junho de 2010)

Islândia, um país bem conhecido por sua atitude liberal em relação a parceiros do mesmo sexo, aprovou uma lei em 27 de junho de 2010, que permitia que casais do mesmo sexo se casassem legalmente. O país, então liderado por uma primeira-ministra Johanna Sigurdardottir, que se declarou abertamente gay, encontrou pouca resistência política ao aprovar essa lei. Uma proporção de votos de 49 a 0 em favor da inclusão de sindicatos ‘homem e homem’ e ‘mulher e mulher’ na legislação do casamento comprova esse fato. Atualmente, a Islândia é considerada um dos países mais amigáveis ​​aos gays do mundo, com um grande número de casais estrangeiros do mesmo sexo visitando a Islândia para se casar lá. Essa escolha é alimentada não apenas pelo fato de os casamentos entre pessoas do mesmo sexo serem legalizados no país, mas também porque a sociedade islandesa em geral é altamente progressista e aceita em grande parte esses casamentos sem qualquer resistência.

8. Portugal (Junho de 2010)

Há uma longa história por trás da legalização dos casamentos entre pessoas do mesmo sexo em Portugal. Um casal de lésbicas, Teresa Pires e Helena Paixão, apelou para uma licença de casamento em 2006, que foi então completamente rejeitada. Levaram a questão a tribunal, alegando que eram injustamente discriminados com base na sua orientação sexual, o que não era legal de acordo com a Constituição portuguesa de 1976. Quando os tribunais inferiores rejeitaram a sua moção, recorreram ao Tribunal Constitucional Português em Julho de 2007. O tribunal decidiu com base numa votação de 3-2 que, embora a Constituição não legalize casamentos do mesmo sexo, também não se opõe a isso. . O complicado caso do casal tinha agora de ser tratado pelo parlamento português. Enquanto este caso estava sendo processado, grandes mudanças políticas estavam ocorrendo no cenário de casamentos entre pessoas do mesmo sexo no país. O recém-reeleito Primeiro-Ministro, José Sócrates, com o apoio do Partido Socialista e do Bloco de Esquerda, propôs uma emenda ao Código da Família para tornar a definição de casamento neutra em termos de gênero. Finalmente, em 5 de junho de 2010, os casamentos entre pessoas do mesmo sexo foram legalizados em Portugal, apesar dos protestos da Igreja Católica do país. Então, em 7 de junho de 2010, Teresa Pires e Helena Paixão se uniram em matrimônio, tornando-se o primeiro casal do mesmo sexo a se casar no país. O pleno reconhecimento dos direitos aos casais do mesmo sexo, no entanto, não foi dado até 5 anos depois. Então, em 2015, o Parlamento aprovou outra lei que torna legal a adoção por casais do mesmo sexo. com o apoio do Partido Socialista e do Bloco de Esquerda, propôs uma emenda ao Código de Família para tornar a definição de casamento neutra em termos de gênero. Finalmente, em 5 de junho de 2010, os casamentos entre pessoas do mesmo sexo foram legalizados em Portugal, apesar dos protestos da Igreja Católica do país. Então, em 7 de junho de 2010, Teresa Pires e Helena Paixão se uniram em matrimônio, tornando-se o primeiro casal do mesmo sexo a se casar no país. O pleno reconhecimento dos direitos aos casais do mesmo sexo, no entanto, não foi dado até 5 anos depois. Então, em 2015, o Parlamento aprovou outra lei que torna legal a adoção por casais do mesmo sexo. com o apoio do Partido Socialista e do Bloco de Esquerda, propôs uma emenda ao Código de Família para tornar a definição de casamento neutra em termos de gênero. Finalmente, em 5 de junho de 2010, os casamentos entre pessoas do mesmo sexo foram legalizados em Portugal, apesar dos protestos da Igreja Católica do país. Então, em 7 de junho de 2010, Teresa Pires e Helena Paixão se uniram em matrimônio, tornando-se o primeiro casal do mesmo sexo a se casar no país. O pleno reconhecimento dos direitos aos casais do mesmo sexo, no entanto, não foi dado até 5 anos depois. Então, em 2015, o Parlamento aprovou outra lei que torna legal a adoção por casais do mesmo sexo. Teresa Pires e Helena Paixão se uniram em matrimônio, tornando-se o primeiro casal do mesmo sexo a se casar no país. O pleno reconhecimento dos direitos aos casais do mesmo sexo, no entanto, não foi dado até 5 anos depois. Então, em 2015, o Parlamento aprovou outra lei que torna legal a adoção por casais do mesmo sexo. Teresa Pires e Helena Paixão se uniram em matrimônio, tornando-se o primeiro casal do mesmo sexo a se casar no país. O pleno reconhecimento dos direitos aos casais do mesmo sexo, no entanto, não foi dado até 5 anos depois. Então, em 2015, o Parlamento aprovou outra lei que torna legal a adoção por casais do mesmo sexo.

7. Suécia (maio de 2009)

Como outros países escandinavos, a comunidade sueca sempre foi progressista em suas atitudes sociais e aceitou abertamente casais do mesmo sexo.Suécia Foi assim um dos primeiros países a designar direitos de parceria legalmente reconhecidos para casais gays em meados da década de 1990, e também permitiu que esses casais adotassem crianças já em 2002. No entanto, o passo principal da legalização de casamentos entre pessoas do mesmo sexo no país foi tomadas em 2009, quando uma grande maioria do Parlamento sueco (226: 22) votou a favor da lei. Embora seis dos sete partidos representados no Parlamento tenham votado a favor, os democratas-cristãos recusaram-se a apoiar a lei. A Igreja Luterana da Suécia concordou em abençoar as parcerias gays desde 2007, mas ainda não estavam preparadas para permitir casamentos gays em suas igrejas. Pastores individuais, entretanto, receberam liberdade para recusar ou permitir tais casamentos em suas respectivas igrejas.

6. Noruega (janeiro de 2009)

Em 17 de junho de 2008, o parlamento norueguês, o Storting, aprovou uma lei que permitia que casais do mesmo sexo gozassem dos mesmos direitos matrimoniais que casais heterossexuais. Essa lei permitiu que os parceiros gays se casassem em cerimônias civis ou religiosas, adotassem crianças e participassem da inseminação artificial. A lei foi implementada no próximo ano novo, 1º de janeiro de 2009. A câmara alta do parlamento do país votou de 23 a 17 a favor da lei, substituindo a legislação de 1993 que permitia que parceiros do mesmo sexo entrassem em uniões civis, mas não permitia casamentos na igreja e adoção. A Igreja daNoruega foi dividido sobre esta questão da legalização do casamento gay em 2013, mas, em 2015, o Sínodo Geral da Igreja da Noruega votou a favor da oferta de serviços para cerimônias de casamento do mesmo sexo. Ainda assim, a Igreja da Noruega permitiu que suas congregações individuais aceitassem ou recusassem tais pedidos de casais do mesmo sexo.

5. África do Sul (novembro de 2006)

Em 1 de dezembro de 2006,África do Sul tornou-se o primeiro país da África a legalizar casamentos entre pessoas do mesmo sexo. Em 14 de novembro, os parlamentares do país votaram a favor do Civil Union Bill, favorecendo os casamentos entre pessoas do mesmo sexo, e efetivamente aprovando-o como uma lei. A história por trás dessa decisão histórica remonta a 2002. Naquele ano, um casal de lésbicas, Marie Fourie e Cecelia Bonthuys, apelou para o Supremo Tribunal de Pretória para que seu sindicato fosse reconhecido como um casamento legal. Mesmo que seu apelo tenha sido rejeitado no início, finalmente o tribunal decidiu que a definição legal existente de casamento levou à discriminação de gênero, que era contra os direitos constitucionais do povo. Assim, surgiu a necessidade de uma emenda constitucional, que levou à sua elaboração, e a aprovação final do Gabinete da Lei da União Civil em agosto de 2006.

4. Canadá (julho de 2005)

Em 1999, a Suprema Corte doCanadá possibilitou que casais do mesmo sexo desfrutassem de alguns dos benefícios financeiros e legais associados ao casamento. No entanto, o reconhecimento legal de casamentos entre pessoas do mesmo sexo não foi visto em nenhuma parte deste quadro. A postura em tais casamentos também variava de província para província no país, uma vez que a maioria das leis que afetam os casais eram tratadas pela jurisdição provincial. No entanto, a mudança gradual nas atitudes da comunidade canadense em favor dos casamentos do mesmo sexo, e as recentes decisões judiciais nas províncias do Canadá que apóiam esses sindicatos, levaram o Parlamento do Canadá a repensar sua posição sobre essa importante questão. Depois de meses de debates, recusas e leituras, finalmente o Bill C-38, o Civil Marriage Act, foi emendado para fazer provisões para a legalização de casamentos entre pessoas do mesmo sexo. Isso foi aprovado pelo Parlamento em 28 de junho de 2005,

3. Espanha (julho de 2005)

Em julho de 2015, a Espanha celebrou seu aniversário de dez anos da legalização dos casamentos gays. O país foi o terceiro país do mundo a legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo em nível nacional. A tentativa de legalizar tais casamentos foi feita em 2004 pelo recém-eleito governo socialista do país. O parlamento e senado daEspanha aprovou a lei em 30 de junho de 2005 e entrou em vigor em 3 de julho de 2005. O primeiro casamento entre pessoas do mesmo sexo na Espanha aconteceu em 11 de julho, envolvendo o casal gay Emilio Menéndez e Carlos Baturín. Mesmo que a Igreja Católica Romana protestasse ativamente contra essa lei, uma vasta maioria de 66% da população do país, apesar de ser conhecida por ter uma atitude tradicionalista, apoiou a lei. Nos próximos 10 anos, cerca de 31.610 casamentos entre pessoas do mesmo sexo ocorreram na Espanha, tornando a Espanha um dos melhores países para os direitos dos homossexuais.

2. Bélgica (junho de 2003)

Em 1º de junho de 2003, aBélgicatornou-se o segundo país do mundo a legalizar os casamentos entre pessoas do mesmo sexo. Após anos de debates acalorados e protestos significativos das organizações de direitos dos gays belgas, juntamente com a crescente aceitação dos direitos dos gays entre a comunidade belga, o projeto de legalização dos casamentos gays foi finalmente aprovado por 91 dos 122 deputados da câmara baixa do parlamento belga. Apesar desta decisão reformatória do governo, e embora a lei concedesse aos casais do mesmo sexo privilégios similares aos dos casais heterossexuais, o direito à adoção por parte desses casais foi negado. Dois anos depois, isso se concretizou quando, em 2005, uma nova lei foi aprovada, concedendo aos casais gays o direito de adotar crianças.

1. Países Baixos (Abril de 2001)

aHolanda foi o primeiro país a legalizar o casamento gay. Já em meados da década de 1980, organizações de direitos dos homossexuais estiveram ativas no país exigindo o reconhecimento legal de casamentos entre pessoas do mesmo sexo. Em 1995, o Parlamento decidiu criar uma comissão para discutir esta questão. A comissão trabalhou rapidamente e, em 1997, concluiu que a definição de casamento civil deveria ser alterada para incluir casais do mesmo sexo. O projeto de casamento foi elaborado e debatido no parlamento holandês e finalmente aprovado pela Câmara dos Deputados e pelo Senado em 19 de dezembro de 2000. A lei entrou em vigor em 1º de abril de 2001. Após essa decisão, a Igreja Protestante do país permitia que suas congregações individuais decidissem se deviam ou não fornecer seus respectivos serviços para tais casamentos. Hoje,

Primeiros países a reconhecer casamentos do mesmo sexo nacionalmente

ClassificaçãoPaísAno Gay Casamento Legalizado
1A Holanda2000
2Bélgica2003
3Canadá2005
4Espanha2005
5África do Sul2006
6Noruega2008
7Suécia2009
8Argentina2010
9Islândia2010
10Portugal2010
11Dinamarca2012
12Brasil2013
13Inglaterra2013
14Wales2013
15França2013
16Uruguai2013
17Nova Zelândia2013
18Luxemburgo2014
19Escócia2014
20Finlândia2015
21Gronelândia2015
22Irlanda2015
23Estados Unidos2015
24Colômbia2016
25Austrália2017
26Alemanha2017
27Malta2017
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.